Logo
0
0
0
s2smodern


Fiel madeiro da Santa Cruz/ ó árvore sem rival.
Que selva outro lenho produz,/ que traga em si fruto igual?
Quão doce peso conduz,/ ó lenho celestial!
Fiel madeiro da Santa Cruz/ Ó árvore sem rival!

1. Cantem meus lábios a luta/ que sobre a cruz se travou;
Cantem o nobre triunfo/  que no madeiro alcançou
O Redentor do universo,/ quando por nós se imolou.

2. O Criador teve pena/ do primitivo casal,/ que foi ferido de morte,/ comendo o fruto fatal,
e marcou logo outra árvore/ para curar-nos do mal.

3. Tal ordem foi exigida/ na obra da salvação:/ cai o inimigo no laço/ de sua própria invenção.
Do próprio lenho da morte/ Deus fez nascer redenção.

4. Na plenitude dos tempos,/ a hora santa chegou/ e, pelo Pai enviado,/ nasceu do mundo o autor;
e duma Virgem no seio/ a nossa carne tomou.

5. Seis lustros tendo passado,/ cumpriu a sua missão./ Só para ela nascido,/ livre se entrega à Paixão./
Na cruz se eleva o Cordeiro,/ como perfeita oblação.

6. Glória e poder à Trindade./ Ao Pai e ao Filho, louvor./ Honra ao Espírito Santo./ Eterna glória ao Senhor,
que nos salvou pela graça/ e nos remiu pelo amor.